CURRENT CALL FOR PAPERS

solidão

Fall 2020 Issue

Guest Editors:
Tanya Saunders, University of Florida
Luciane Ramos-Silva, University of Campinas, O Menelick2Ato editor, Acervo África researcher
Sarah Soanirina Ohmer, Lehman College, City University of New York

Priority Submission Deadline: September 15, 2019

In Virou Regra? (Is This a Rule Now? [2011]) and Mulher Negra: Afetividade e Solidão (Black women: Affectivity and loneliness [2013]), Claudete Alves and Ana Cláudia Lemos Pacheco ask: “How do race, gender and other social markers impact the affective choices of Black women?” They engage loneliness or solidão at the crux of societal demands and expectations of women of color, particularly Black women, in a global context of hypercapitalism and hypersexualization, where Black and Brown women are kept out of the “affective market” and naturalized in the “sexualized market” as domestic workers, eroticized, enslaved bodies, while white Brazilian women are assimilated into the affective culture of respectable heterosexuality. In “Enegrecendo o Feminismo / Blackening Feminism,” Sueli Carneiro (sociologist and founder of the Geledés Research Center in São Paulo) demands that the study and activism for women’s rights decenters the hegemonic idea of “mulher”/woman as white toward Africana knowledges and experiences, and the needs of Black women. Drawing from the diverse theories and experiences of Black Brazilian women, solidão describes shared isolation as an affective relational phenomenon with meanings as multiple as there are Black women. Solidão is inherent to the experiences of Black women considering the historical, social, and racial vectors that traverse our experiences. It is a concept from Black Brazilian Gender Studies that does not have a U.S. Black feminist or queer of color equivalent, nor does it translate into a single word in the English language. Yet, the feeling, and the experience, translates. As art is an expression of life, solidão resonates in creative and performing arts as well as lived experience.

How do you read/experience/address solidão? This issue invites intersectional critical theory from scholar-activists to confront systems of oppression that challenge the idea of universalism and the limited belief that humanity is white, skinny, heterosexual, able-bodied, U.S. American, middle class, Christian, and male (O que é a interseccionalidade by Carla Akotirene [2017]). How do you frame intersectional theory with Afro-Atlantic and African knowledge production outside of the United States? While recognizing the historical roots and social/racial meaning of solidão, we invite submissions that take into account how solidão is experienced differently, based on differential subjectivities and communal similarities. How can we engage solidão with Black women and LGBTQ+ communities of color as history-making and knowledge-producing protagonists?

Solidão implies an affective experience central to the formation of intersectional subjectivity. With solidão, one can reclaim José Esteban Muñoz’s theorization of the “depressive position” as central to the formation of Latinx subjectivity, specifically recalling Disidentifications and Cruising Utopia’s chapters rooted in Black queer theory and dedicated to Black queer artists (e.g., “Gesture, Ephemera, and Queer Feeling: Approaching Kevin Aviance”). We encourage authors to engage with the multilayered and multidimensional Black feminist, Black queer, queer of color theories that have yet to be translated into English, and/or that have been appropriated, misread, and/or “left alone”; to apply concepts from another language as an act of transnational solidarity with African and Afro-Atlantic women and queer of color theorizing and activism; to reengage and reclaim whitened queer of color theory written in English. We will consider work that makes productive transnational connections between Black feminist and/or queer of color affective or political theoretical productions across languages and geopolitical borders that circulated any time between the sixteenth and twenty-first centuries. We invite contributions that #CiteBlackWomen outside of the United States on one or more topics (this list is not exhaustive):

  • Pedagogies of decentering whiteness and heteronormativity

  • Affect and racialized subject formation (e.g., Black queer affect)

  • Crip-of-color critique in relation to solidão

  • Black transfeminisms

  • Sapatões, Tortilleras, Machonas, Marimachas, Areperas, and other sexual dissidents

  • Genealogies of women of color theory

  • Affect theory and women of color

  • Theory-in-translation

  • Black women and Intimacy

  • The internal worlds of Black women (i.e., affective, psychic, neurological, etc.)

  • Loneliness as resistance and/or as pursuit of happiness (e.g., Black women’s travels)

  • Hypervisibility and invisibility

  • Black women and LGBTQ+ people of color in the workplace / Labor studies

  • Shared solitude and transnational solidarities

  • Myths and herstories of foundational Black women (Nanny, Ezili Je Wouj, Acotirene,
    Dandara . . .)

  • Latin America, the Caribbean, and Africa as racialized and gendered geopolitical spaces

  • Intersectionality in the American hemisphere / for Americans of African and Indigenous descent

  • Intersectionality in performance, literature, plastic arts, music, film and/or media arts

  • Intersectional approaches to African and/or Afro-Atlantic diasporic religions

SUBMISSION INSTRUCTIONS

PRIORITY DEADLINE: SEPTEMBER 15, 2019

www.feministpress.org/submission-guidelines

Submissions may be in English, Portuguese, and/or Spanish. We will consider multilingual essays and may accept essays in other languages.  Please consult the guest editors before submitting in a language other than English, Portuguese, or Spanish.

Scholarly articles and inquiries should be sent to guest issue editors Tanya Saunders, Luciane Ramos-Silva, and Sarah Soanirina Ohmer at WSQsolidao@gmail.com. We will give priority consideration to submissions received by September 15, 2019. Submissions should not exceed 6,360 words (including abstract, keywords, unembedded notes, captions, and works cited) and should comply with the Feminist Press’s formatting guidelines. Please send complete articles, not abstracts. We prefer Microsoft Word file formats. Please provide all contact information in the body of the e-mail. We do not accept work that has been previously published or under review at another journal.

Poetry submissions related to the issue theme should be sent to WSQ’s poetry editor Patricia Smith at WSQpoetry@gmail.com by September 15, 2019. Please review previous issues of WSQ to see what type of submissions we prefer before submitting poems. Please note that poetry submissions may be held for six months or longer. Simultaneous submissions are acceptable if the poetry editor is notified immediately of acceptance elsewhere. We do not accept work that has been previously published. Please paste poetry submissions into the body of the e-mail along with all contact information.

Fiction, essay, memoir, and translation submissions related to the issue theme between 2,000 and 2,500 words should be sent to WSQ’s fiction/nonfiction editor, Rosalie Morales Kearns, at WSQCreativeProse@gmail.com by September 15, 2019. Please review previous issues of WSQ to see what type of submissions we prefer before submitting prose. Please note that prose submissions may be held for six months or longer. Simultaneous submissions are acceptable if the prose editor is notified immediately of acceptance elsewhere. We do not accept work that has been previously published. Please provide all contact information in the body of the e-mail.

ABOUT WSQ: Since 1972, WSQ has been an interdisciplinary forum for the exchange of emerging perspectives on women, gender, and sexuality. Its peer-reviewed interdisciplinary thematic issues focus on such topics as Asian Diasporas, Protest, Beauty, Precarious Work, At Sea, Solidarity, Queer Methods, Activisms, The Global and the Intimate, Trans-, The Sexual Body, and Mother, combining legal, queer, cultural, technological, and historical work to present the most exciting new scholarship, fiction, creative nonfiction, poetry, book reviews, and visual arts on ideas that engage popular and academic readers alike. WSQ is edited by Jillian M. Báez (College of Staten Island, CUNY) and Natalie Havlin (LaGuardia Community College, CUNY) and published by the Feminist Press at the City University of New York. Visit http://www.feministpress.org/wsq.

Chamada para publicação de artigos

O campo de estudos do feminismo negro está crescendo ampla e significativamente nos últimos anos no Brasil. Uma das discussões levantadas por essa produção é o tema da solidão. Em “Virou Regra?” (2011) e “Mulher Negra: Afetividade e Solidão” (2013), Claudete Alves e Ana Cláudia Lemos Pacheco perguntam: “Como a raça, gênero e outros marcadores sociais impactam as escolhas afetivas das mulheres negras?” Alves e Pacheco engajam a solidão (em inglês, loneliness) como ponto crucial das demandas sociais e expectativas das mulheres negras, num contexto global de hipercapitalismo e hipersexualização, onde no Brasil as mulheres pretas e pardas são mantidas fora do “mercado afetivo” e naturalizadas no “mercado sexualizado” como corpos erotizados, subordinados (trabalhadoras domésticas), e em contrapartida, as mulheres brancas são assimiladas na cultura afetiva de heterossexualidade respeitável.

Em “Enegrecer o Feminismo”, Sueli Carneiro aponta que o campo de estudos e as lutas feministas postularam a ideia hegemônica sobre a categoria Mulher, associada a vivência feminina branca, em detrimento ao conhecimento, experiências e a história das mulheres negras. Moldado a partir de diversas teorias e experiências de mulheres negras brasileiras, Solidão descreve o isolamento compartilhado como um fenômeno relacional afetivo com significados tão múltiplos quanto o número de mulheres negras. A solidão é inerente às experiências de mulheres negras brasileiras considerando os vetores históricos, sociais e raciais que atravessam essas experiências. É um conceito oriundo dos estudos de gênero produzidos por feministas negras brasileiras que não tem um equivalente no idioma inglês e na produção feminista norte-americana. Ainda assim, o sentimento e a experiência, se traduzem. Como a arte é uma expressão da vida, a solidão ressoa nas artes criativas e performáticas assim como na experiência vivida por este grupo.

Desta forma, questionamos como você lê/experimenta/aborda a solidão? Esta edição da WSQ convida a teoria crítica interseccional de acadêmicas-ativistas e art-ivistas a confrontar os sistemas de opressão, desafiando a ideia de universalismo e a crença limitada que a humanidade é branca, masculina, heterossexual, saudável, magra, norte-americana, classe média e cristã (AKOTIRENE, 2017). Neste sentido, desejamos evidenciar como está sendo desenvolvida a teoria interseccional: como você lê/experimenta/aborda a teoria interseccional com a produção de conhecimento afro-atlântica e afro-diaspórica fora dos Estados Unidos? Desejamos evidenciar como está sendo desenvolvida a teoria interseccional, enquanto uma produção de conhecimento afro-atlântica e afro-diaspórica fora dos Estados Unidos, no contexto do Sul e mais especificamente entre as brasileiras.

Ao mesmo tempo em que reconhecemos as raízes históricas e o significado social / racial da solidão, convidamos submissões que levem em conta como a solidão é vivenciada de maneira diferente, baseada em subjetividades diferenciais e semelhanças comunais. Por exemplo, uma vez que a solidão pode implicar em uma experiência afetiva central para a formação da subjetividade interseccional, como podemos engajar a solidão de mulheres negras e da comunidade negra LGBTQ+ no protagonismo de sua história e da produção de seu conhecimento? Com a solidão podemos dialogar com outros intelectuais LGBT+ como a “posição depressiva” do latino queer José Esteban Muñoz nos Estados Unidos. Podem se conectar as teorias de outros intelectuais queer fora dos EEUU em conexão com a teoria de feministas negras brasileiras.

Encorajamos o engajamento de feministas e queer negras brasileiras de diversos espaços de inserção e múltiplas camadas que ainda não foram traduzidas para o inglês, para expor os conceitos, linguagens, teorizações e ativismo desenvolvidos em seu cenário, como um ato de solidariedade transnacional com outras mulheres africanas, afro-atlânticas e queers; para reconquistar e recuperar as teorias negras embranquecidas na tradução para o inglês. Nós vamos considerar os trabalhos com perspectivas transnacionais entre a produção feminista negra e/ou queer com produções teóricas sobre política de racialização e afetividade que circularam por meio de línguas e fronteiras geopolíticas entre os séculos XVI e XXI.

Nós convidamos para a publicação de contribuições focadas e desenvolvidas a partir do ponto de vista da teoria produzida por mulheres negras, e que citam textos de mulheres negras publicados fora dos EEUU. Listamos alguns tópicos desejados (esta lista não é exaustiva):

• Pedagogias afro-feministas, descentralizadoras da lógica do branqueamento e da heteronormatividade, do feminismo negro e/ou mulheres quilombolas
• Afeto e construção da subjetiva das/os sujeitos racializadas/os (por exemplo, afeto negro queer)
• Crítica de mulheres negras com deficiência em relação à solidão
• Transfeminismos negros
• Lésbicas negras (sapatões, butch e outros dissidências sexuais)
• Genealogias da teoria das mulheres de cor
• Teoria do afeto e mulheres de cor
• Teoria feminista negra e a política de tradução
• Mulheres negras e intimidade
• Os mundos internos das mulheres negras (ou seja, afetivo, psíquico, neurológico, etc.
• Solidão como resistência e/ou como busca de felicidade (por exemplo, mulheres negras e as viagens)
• Representação falsa de só uma mulher versus invisibilidade
• A intersecção do racismo e da opressão de gênero no local de trabalho/local de estudos (Mulheres negras e LGBTQ +)
• Solidariedade compartilhada e solidariedades transnacionais
• Histórias e mitos de mulheres negras pioneiras, “herstories” (Dandara, Aqualtune, Nanny, Ezili Je Wouj)
• América Latina, Caribe e África como espaços geopolíticos racializados e de gênero
• Interseccionalidades (na diáspora africana e comunidades indígenas)
• Interseccionalidade na performance, literatura, artes plásticas, música, cinema, e/ou artes multimedia
• Abordagens interseccionais às religiões de matriz africana e/ou afro-atlântica

As submissões podem ser em inglês, português e/ou espanhol. Consideraremos ensaios multilíngues e podemos aceitar ensaios em outros idiomas – consulte as editoras convidadas antes de enviar em um idioma diferente dos indicados acima. Os artigos acadêmicos e possíveis dúvidas devem ser enviadas para as editoras convidadas: Tanya Saunders, Luciane Ramos-Silva, e Sarah Soanirina Ohmer no seguinte e-mail: wsqsolidao@gmail.com

ORIENTAÇÕES PARA SUBMISSÃO
Para o envio de artigos

Data limite: Consideraremos as inscrições recebidas até 5 de setembro de 2019.
Número de palavras: As inscrições não devem exceder 6.360 palavras (incluindo resumo, palavras-chave, notas inseridas, legendas e trabalhos citados) e devem estar em conformidade com as diretrizes de formatação da Feminist Press (Imprensa Feminista).
Formato: Por favor, envie os artigos completos, não apenas os resumos. Nós preferimos os formatos de arquivo do Microsoft Word. Por favor, forneça todas as informações de contato no corpo do e-mail. Não aceitamos trabalhos que tenham sido publicados anteriormente ou em revisão em outro periódico.

Sobre a WSQ: Desde 1972, a WSQ tem sido um fórum interdisciplinar para a troca de perspectivas emergentes sobre mulheres, gênero e sexualidade. Suas questões temáticas interdisciplinares revisadas por pares enfocam tópicos tais como diásporas asiáticas; protesto; beleza; trabalho precário; no mar; solidariedade; métodos queer, ativismos, o global e o íntimo; trans-; vida sexual e maternidade, combinando trabalho jurídico, cultural, tecnológico e histórico para apresentar a mais emocionante nova bolsa de estudos, ficção, não-ficção criativa, poesia, resenhas de livros e artes visuais em ideias que envolvem leitores populares e acadêmicos da mesma forma. A WSQ é editada por Jillian M. Báez (Colégio de Staten Island, CUNY) e Natalie Havlin (Colégio Comunitário LaGuardia, CUNY) e publicada pela Editora Feminista na Universidade da Cidade de Nova York. Para mais informações visite o site: http://www.feministpress.org/wsq

Acknowledgments for Translation of the Call for Papers to Portuguese: Tatiana Canavarro Donato, Black Brazilian Researchers Association/ Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN); Adaptation of the Call for Brazilian academic and activist audience: Giselle dos Anjos Santos, ABPN Journal Editor in Chief, University of Sao Paolo, Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades, Shislene de Oliveira Macedo, University of Sao Paolo Anthropology Department, Tanya Saunders, co-editor of WSQ Solidão Issue, University of Florida Center for Latin American Studies. Special thanks to Nicéa Quinto Amaro, Director of ABPN, Professor at the Universidade Federal of Uberlândia, Sciences and Technology Center, Chemistry Institute for coordinating and making the Portuguese translation of the Call for Papers possible and circulating it in Brazil. Copy-edit for publication on the WSQ website: Sarah Soanirina Ohmer, co-editor of WSQ Solidão Issue, CUNY Lehman College Latin American and Latino Studies.